‣ CREATIVE SITE: Desenvolvimento de Sites | Lojas Virtuais | Sistemas Web | Hospedagem de Sites - SOLICITE SEU ORÇAMENTO
Buscar Notícias:
Paulo César Tamiazo
Coluna: Revivendo a História
Publicado: 21/03/2013 às 18:43:53
Cordeirópolis há 70 anos: notícias na imprensa de Limeira

Há alguns anos tivemos oportunidade de pesquisar no arquivo do jornal “Gazeta de Limeira” que regularmente publicada notícias de Cordeirópolis. Aproveitando a proximidade da comemoração da data, utilizamos este espaço para retratar algumas reportagens escritas no período, e os assuntos que abordavam, no período entre o início do ano de 1943 e o primeiro semestre de 1945.

A primeira notícia do período, na edição de 1º de janeiro de 1943, foi o falecimento de Henrique Dias, com 80 anos, patriarca de tradicional família da cidade, da qual teve origem o ex-vereador e ex-presidente da Câmara Moacyr Dias. Em 14 de fevereiro, o jornal publica os nomes dos jovens que foram sorteados para o serviço militar naquele período; de nomes conhecidos em Cordeirópolis constavam: Oswaldo Hubner, Oswaldo Lucke e Alcides Aparecido Hespanhol, de tradicionais famílias da cidade.

Durante o mês de junho, em três edições, foi destacada a realização da “Festa de Santo Antonio”, nas edições de 6, 10 e 13 de junho, inclusive com foto,  um tipo raro de registro com relação a Cordeirópolis.

Em 11 de novembro de 1943, dentre outros assuntos, a coluna social da Gazeta de Limeira assinalou o casamento, ocorrido naquele período, de Gaudêncio Reducino e Paulina Gomes de Affonseca, famílias consideradas em nossa comunidade.

Em 1944, a edição de 13 de fevereiro destaca, na vida religiosa do distrito, a existência do “Corpo Cênico Pedro Jorge Frassatti”, composto por Spolador Neto, José Spolador, Manoel Beinoti, Orlando de Lucca (também político local, vereador e presidente da Câmara); Angelo Janoni, Osvaldo Spolador, Pedro Scalisse e José Danezin. Nesta relação encontram-se duas famílias cujos membros não se encontram mais na cidade, e seria interessante verificar quais eram suas origens.

Já ressaltamos anteriormente a existência da empresa “Policítrica Ltda.”, que neste período se dedicou a extrair óleo de laranja para exportação; nesta notícia, de 20 de fevereiro de 1944, informa-se que, através da intervenção do Capitão Joaquim Manoel Pereira (1870-1952), líder político local, fora firmado um contrato de fornecimento de 10.000kg deste produto para exportação.

Nestes tempos da “reforma da praça”, e numa cidade em que a memória é menor do que a de um computador ultrapassado, não podemos deixar de chamar a atenção para a notícia de 16 de março de 1944 em que se destaca a doação, realizada pela firma “Gabriel & Raphael Jafet”, de cinco bancos de mármore, a serem colocados na então Praça João Pessoa.

Esperamos que as pessoas preocupadas com a situação dos bancos que envolvem a praça, e que devem ter sido feitos no final da década de 1960, também se interessem em preservar estes bancos mais antigos que, se não forem destruídos, completarão 70 anos de sua instalação no ano que vem.

No dia 26 de março de 1944, foi informada a existência de um grupo de escoteiros em Cordeiro, sob a direção do prof. Jorge Fernandes, diretor do Grupo Escolar e vereador na primeira legislatura, que iria participar da visita do Secretário Estadual de Educação a Limeira.

No mesmo dia, foi informado que teria sido aprovado, pelo Departamento Administrativo do Estado o Quadro Territorial Administrativo para o período 1945-1948, onde estaria oficializada a mudança de nome de “Cordeiro” para Cordeirópolis e de “Iracemópolis” para Iracemápolis. Como sabemos, esta medida foi decretada pelo Interventor Federal somente em novembro.

Em abril encontra-se um anúncio da “CACI – Companhia Administradora e Construtora de Imóveis”, fundada em Cordeiro com capital de Cr$ 200.000,00, com o objetivo de construir casas para os trabalhadores. Ainda se encontram alguma casas em pé na cidade, como no início da Rua Carlos Gomes, onde durante muito tempo funcionaram um laboratório de análises clínicas e um jornal semanal.

Da mesma forma como no ano anterior, mas sem o mesmo destaque, foi anunciada a realização da “Festa de Santo Antonio”, em 11 de junho de 1944. Em 5 de outubro o jornal destacou, em manchete, “Atirou o filho ao córrego”, envolvendo os moradores da Fazenda Bombocado Maria Teresa Dipper e Antonio Gonçalves.

Em outubro, foi noticiado um “princípio de incêndio” na Fábrica de Tecidos Fioseda, localizada na esquina das ruas Guilherme Krauter e Carlos Gomes. Segundo a reportagem, “motivado pelas fagulhas das caldeiras (...) o fogo foi extinto prontamente pelos vizinhos que perceberam a tempo, de sorte que foram mínimos os prejuízos.” No mesmo mês foi noticiada a implantação de um “novo cinema em Cordeiro”, onde a CACI estaria estudando o projeto de construção de um novo prédio para cinema.

Com relação à CACI, diversas notícias foram mostradas envolvendo a companhia: em agosto, foi convocada Assembleia Geral Extraordinária, onde seriam resolvidas a modificação do nome e aumento do capital, realizada na rua 7 de Setembro, nº 358, onde agora funciona o Fórum da Comarca. Em setembro, foi destacada a atuação para resolver o problema da falta de moradia no distrito, sendo que no dia 12 de outubro foi destacado o início da venda das casas nº 1 e 2 construidas pela empresa.

Com a derrota da Itália na segunda guerra, foi noticiado pela “Gazeta” que “já estariam suspensas as medidas de caráter especial que recaíam sobre os italianos, que passam a gozar das regalias comuns a outros estrangeiros de países amigos”, a partir de 5 de novembro de 1944.

No início deste ano, sob o clima da guerra  e o “medo do inimigo”, a Gazeta destacava artigo sobre o tema “Os eixistas e os núcleos coloniais”, ressaltando as medidas do Decreto-Lei Federal nº 5.153, de 31 de dezembro de 1942, motivado pela declaração de guerra do Brasil contra os países do Eixo (Itália, Alemanha e Japão).

Por esta medida, seriam desapropriadas as terras pertencentes aos “súditos do Eixo”, onde ficava “o Ministério da Agricultura autorizado a promover (...) a desapropriação, por utilidade pública, nos Núcleos Coloniais, onde haja concentração de estrangeiros contrária ao interesse e defesa nacionais, fundados, por sociedades, empresas ou particulares, das áreas de terras loteadas ou não”.

Segundo a determinação, assinada pelo então Presidente da República, Getúlio Vargas, “as terras ou lotes desapropriados serão concedidos a brasileiros natos na forma da legislação em vigor (...), ficando as empresas de colonização obrigadas a remeter relação dos colonos localizados, sua nacionalidade, data da localização, número de filhos, bem como plantas das áreas loteadas e colonizadas e das que fizerem parte do seu patrimônio, destinadas ou não à colonização.” Medida de tal envergadura teve curta duração, uma vez que as medidas restritivas foram suspensas menos de um ano e meio depois.

Iniciado o ano de 1945, a edição de 3 de janeiro declarou a entrada em vigor do dispositivo que oficializava a mudança das denominações de Cordeirópolis (ex-Cordeiro) e Iracemápolis (ex-Iracemópolis).

A partir de fevereiro, está regularmente destacada a presença do Sargento Nilo Boldrini, expedicionário que participou da II Guerra Mundial na Itália, desmobilizado com o fim dos combates. Em abril, inclusive, a reportagem conta com foto do militar, destacando seu breve retorno ao país e ao convívio de seus familiares.

Em abril, destaca-se a “reabertura do cinema”, a despedida do Padre Antonio Janoni e a nomeação do prof. Bento Avelino Lordello (ex-vereador e ex-presidente da Câmara, professor primário por mais de trinta anos) para o cargo de sub-prefeito de Cordeirópolis.

No mês de maio é dado destaque ao fim da Guerra, com a manchete destacando a “Capitulação da Alemanha” e um artigo da prof. Maria Nazareth Stocco Lordello, intitulado “A Paz Chegou”.

No mês de junho, é destacada a escolha da “Rainha dos Estudantes”, a posse do novo Vigário de Cordeirópolis, a criação da Coooperativa Popular de Consumo, situada posteriormente na esquina das ruas Carlos Gomes e 13 de Maio e a intenção de se colocar uma placa em homenagem ao Sargento Nilo Boldrini, que até hoje se encontra na sede da Prefeitura Municipal.  Na imprensa local e em nosso livro, descrevemos os festejos realizados, no mês de agosto, em homenagem ao conterrâneo.

Ampliar
Escoteiros
Ampliar
Praça
Ampliar
Cooperativa de Consumo
Ampliar
Igreja Matriz
Ampliar
Memória História
Fonte: Jornal “Gazeta de Limeira” 1943-1945
Últimos Artigos
Cordeirópolis há 70 anos: notícias na imprensa de Limeira
Página anterior
Cordero Virtual - Notícias do Brasil e do Mundo - 2001-2017
Não temos nenhuma responsabilidade por qualquer conteúdo publicado neste site nas quais são citadas as fontes ou assinados.
Proibida cópia total ou parcial do conteúdo deste site sem a devida autorização.
Desenvolvimento de Sites e Lojas Virtuais
Desenvolvimento de Sites e Lojas Virtuais