‣ CREATIVE SITE: Desenvolvimento de Sites | Lojas Virtuais | Sistemas Web | Hospedagem de Sites - SOLICITE SEU ORÇAMENTO
Buscar Notícias:
Marcelo Sguassábia
Coluna: Consoantes Reticentes
Publicado: 23/06/2016 às 16:36:15
Cabelos ao Vento
Nem todo mundo sabe, mas o cabelo, se bem conservado, é eterno (não se animem os carecas, a eternidade é do dito cujo fora da cabeça, e não em cima dela). Pura proteína, pode manter-se intacto com o passar dos séculos, mesmo debaixo da terra e exposto aos vermes. Mais: tanto o cabelo quanto as unhas continuam crescendo após o sepultamento, por períodos que variam de organismo para organismo. Melhor dizendo, de cadáver para cadáver.

Com apogeu no século 19, o hábito de guardar mechas de cabelo vem da Grécia antiga. O mais comum era acondicionar em caixinhas, envelopes ou no interior de camafeus um cacho do primeiro corte ou do último, já da pessoa defunta, como recordação. Namorados também enviavam madeixas às suas caras metades, para diminuir saudades e distâncias. Enfim, era uma relíquia sem prazo de validade que entes queridos presenteavam-se mutuamente, e que literalmente significava ter a posse de um pedaço da pessoa. 

Alguns, mais espertos, tinham acesso a defuntos ilustres e, disfarçadamente, davam um jeito de surrupiar um ou outro cacho para legar à posteridade. Visando, obviamente, fazer dinheiro com isso no futuro. 

************

Viena, 2014, em uma casa de leilões.

Separados em suas respectivas mechas e divididos por área de notabilidade - políticos, presidentes da república, reis, cientistas, músicos, escritores e filósofos, os cabelos aguardavam os novos donos, que os arrematariam em lances milionários. Dentre outros, ali estavam amostras capilares de George Washington, Chopin, Napoleão Bonaparte, Nietzche, Mozart, Oscar Wilde, Mussolini, Einstein e Picasso.

Então o improvável e espetacular desastre se deu, por conta de uma reles veneziana com o trinco enguiçado. Um vento encanado e pronto: as mechas todas em redemoinho, para sempre misturadas.

- Gente, e agora? Leilão marcado... Para saber que cabelo é de quem nós temos que enviar, fio por fio, à análise de DNA. Precisamos de novas certificações de autenticidade. 

- Com resultados prontos até depois de amanhã? Tá fácil, heim. Estamos perdidos.

- Tanto melhor! Os cabelos são todos de grandes gênios da humanidade, não são? Quem arrematar a mecha do Oscar Wilde, por exemplo, vai levar cabelos de um monte de outras celebridades. Sem pagar nada mais por isso! Um grande negócio.

- Tá bom. Aí o dono do chumaço resolve fazer um DNA, para saber se o cabelo que ele comprou é o mesmo que ele levou...

- Repito: vai perceber que está na vantagem. Se fizer o DNA dos outros fios, terá uma grata e bombástica surpresa. Vai descobrir que possui metade da Enciclopédia Britânica em forma de cabelo.

- Vamos perder credibilidade como casa de leilões...

- Bom, a rigor, se alguém contestar, o problema é do laboratório que deu o laudo do DNA. Podemos falar que a culpa é deles, e nunca ninguém ficará sabendo desse acidente do vento entrando pela janela.

- Canalhice, velhacaria. Muito mau-caratismo para o meu gosto. A culpa foi do vento, temos que assumir isso...

- E perder milhões, cancelando o leilão?

A portas (e venezianas) trancadas, fizeram um pacto de cumplicidade e silêncio. Vararam noite e madrugada juntando cabelos em mechas que se assemelhavam pela cor. Todas as relíquias foram arrematadas. Nunca ninguém contestou a autenticidade delas.
Crédito(s) Foto(s): dnalegal.com
Últimos Artigos
Cabelos ao Vento
Página anterior
Cordero Virtual - Notícias do Brasil e do Mundo - 2001-2017
Não temos nenhuma responsabilidade por qualquer conteúdo publicado neste site nas quais são citadas as fontes ou assinados.
Proibida cópia total ou parcial do conteúdo deste site sem a devida autorização.
Desenvolvimento de Sites e Lojas Virtuais
Desenvolvimento de Sites e Lojas Virtuais