‣ CREATIVE SITE: Desenvolvimento de Sites | Lojas Virtuais | Sistemas Web | Hospedagem de Sites - SOLICITE SEU ORÇAMENTO
Buscar Notícias:
Marcelo Sguassábia
Coluna: Consoantes Reticentes
Publicado: 14/11/2015 às 12:36:41
Museu em Cápsulas
Há o museu das cápsulas do tempo e seu acervo fabuloso. A cápsula do tempo enterrada em 1712 e aberta em 1812. A cápsula montada em 1901 e só violada na virada do século seguinte. A réplica da cápsula enviada ao espaço em 1964 e sabe-se lá quando e por quem será encontrada. Estas e muitas outras cápsulas abastecem o inusitado museu. Uma das mais recentes aquisições foi descoberta por esses dias, próxima a uma aldeiazinha banhada pelo Tejo, e data de 1340. Muito provavelmente, uma das mais antigas cápsulas de que se tem notícia. E também das mais franciscanas: guardava apenas alguns poucos e desinteressantes utensílios domésticos, dois capuzes monásticos, uma roda de alguma estranha traquitana e uma moeda tão gasta que mal se distinguia a cara da coroa.

As que compõem o museu são as encontradas e abertas a seu tempo, diante dos olhares incrédulos das gerações futuras a que eram destinadas. Mas há milhares delas para sempre enterradas e intactas, a menos que o acaso ou algum incidente não previsto venham a atrapalhar seu sono. Dessas o museu jamais terá notícia, embora sejam tantas espalhadas por toda parte.

Daí a pergunta: como alguém se dá ao trabalho de reunir livros, jornais, fotos, filmes, documentos e os mais diversos objetos, para em seguida acondicioná-los, lacrá-los e enterrá-los sem deixar um mapa onde o futuro tesouro poderá ser descoberto? Esses anônimos e abnegados montadores de cápsulas provam com sua tarefa um amor sem medida à raça humana. Justamente por conhecerem bem a curiosidade daqueles a quem tanto amam é que mantêm em rigoroso sigilo a localização de suas arcas históricas. Não querem correr o risco de um vândalo bisbilhoteiro botar tudo a perder antes da hora e acabar com a graça e a utilidade da coisa.

Alguns montadores de cápsulas são egoístas ao extremo e fazem delas investimentos de longuíssimo prazo. Sabem muito bem esses gananciosos que, ao fim de 200 ou 300 anos, tudo o que colocarem em suas caixas blindadas valerá bastante dinheiro. Assim, deixam testamentada sua intenção em documentos e mapas detalhados de localização, guardados nos cofres de suas mansões, para serem abertos no momento oportuno exclusivamente por seus descendentes. Tão logo abertas, tais cápsulas são imediatamente negociadas pelos tataranetos junto aos mais sofisticados antiquários e casas de leilões do mundo. Dessa forma, perpetuam suas fortunas familiares e ao mesmo tempo   prejudicam a missão a que o museu se destina, destruindo cápsulas de valor histórico e científico incalculável.

Fotos do museu das cápsulas do tempo, mostrando o seu acervo no estado em que se encontra hoje, estão anexadas a este documento. Fica assim criada a cápsula que registra a saga das cápsulas, com instruções para ser aberta apenas no ano de 2115.
Últimos Artigos
Museu em Cápsulas
Página anterior
Cordero Virtual - Notícias do Brasil e do Mundo - 2001-2017
Não temos nenhuma responsabilidade por qualquer conteúdo publicado neste site nas quais são citadas as fontes ou assinados.
Proibida cópia total ou parcial do conteúdo deste site sem a devida autorização.
Desenvolvimento de Sites e Lojas Virtuais
Desenvolvimento de Sites e Lojas Virtuais