‣ CREATIVE SITE: Desenvolvimento de Sites | Lojas Virtuais | Sistemas Web | Hospedagem de Sites - SOLICITE SEU ORÇAMENTO
Buscar Notícias:
Marcelo Sguassábia
Coluna: Consoantes Reticentes
Publicado: 06/03/2014 às 10:35:56
Polonaise
- Este ré bemol realmente está um atentado ao ouvido. Faz tempo que está desafinado desse jeito?
- Mais de ano. Vou deixando, evitando esbarrar nessa tecla quando toco, pra não acabar com a música.
- O problema é que agora não segura mais afinação. Vou ter que trocar a cravelha. Se o senhor me chamasse assim que notou que estava desafinado... Que curioso, nunca atendi cliente no carnaval. Ninguém chama pra afinar piano nesses dias. Já tinha até planejado uma semaninha em Teresópolis, com a família, quando o senhor ligou. Piano em casa já é raridade hoje em dia. Gente querendo tocar no carnaval, então... Pleyel, esse piano aqui é uma lenda.
- Tem quase vinte anos comigo. Estava encostado no porão de um convento. Uma das madres tocava de vez em quando. Ela morreu e o instrumento ficou parado, até que deu cupim e resolveram vender.
-  Personnalisé pour Frédéric Chopin!*
- Que foi que você disse?
- Aqui, escrito em grafite num selo, perto do pedal.
- Quer dizer o que isso aí, moço?
- Nada.
- Como assim, nada?
- Este piano não vale nada. As cravelhas estão todas estragadas, a madeira está que é só cupim, o marfim das teclas já vai começar a soltar...
- Do jeito que o senhor fala, não sobra muita coisa.
- Posso levar embora, mas pago pouco. A despesa que eu vou ter com o transporte é maior do que o preço de mercado dele.
- Mas é um Pleyel! Como o senhor mesmo disse, uma lenda…
- Um Pleyel destruído pelo tempo. A fábrica, inclusive, fechou as portas em novembro de 2013. Este aqui é apenas mais um, dentre duzentos e cinquenta mil produzidos na França, em mais de duzentos anos.
- E aquele negócio escrito no selo? O senhor arregalou um olho quando leu…
- Imagina, é só nome do funcionário que fez o instrumento. Um tal de Frederico. Do jeito que esse piano acabou ficando, devia ser um aprendiz na época.
- Ah.
- E aí? Vamos desocupar espaço?
- Oito mil e quinhentos reais.
- Pago no máximo três mil e setecentos.
- Tá bom, pode levar.
(Leva mesmo essa porcaria, seu trouxa. Se fosse um perito mesmo, teria percebido que o selo é falso, que foi envelhecido com betume e que o lápis que escreveu o nome de Chopin é coreano).


*Sob encomenda para Frédéric Chopin
Últimos Artigos
Polonaise
Página anterior
Cordero Virtual - Notícias do Brasil e do Mundo - 2001-2017
Não temos nenhuma responsabilidade por qualquer conteúdo publicado neste site nas quais são citadas as fontes ou assinados.
Proibida cópia total ou parcial do conteúdo deste site sem a devida autorização.
Desenvolvimento de Sites e Lojas Virtuais
Desenvolvimento de Sites e Lojas Virtuais