‣ CREATIVE SITE: Desenvolvimento de Sites | Lojas Virtuais | Sistemas Web | Hospedagem de Sites - SOLICITE SEU ORÇAMENTO
Buscar Notícias:
Marcelo Sguassábia
Coluna: Consoantes Reticentes
Publicado: 29/12/2012 às 09:31:50
Holocausto Geriátrico

O inevitável bate à porta: o efeito INSS chega aos fundos privados de previdência e pensão. E é preciso deixar claro que o nosso não é exceção à regra.
 
Caso não ocorra uma mortandade maciça de beneficiários em curtíssimo prazo, o sistema entra em colapso. A lógica é aritmeticamente implacável: os recursos da base contributiva não chegam a cobrir um terço dos benefícios pagos, e isso inviabiliza qualquer mecanismo previdenciário. Se fizéssemos parte de órgão público, tudo bem. Na falta de dinheiro, o governo – municipal, estadual ou federal – viria para acudir o rombo, logo tampado com novas alíquotas nas tabelas de impostos e outras manobras emergenciais.
 
Não é esse o nosso caso, e temos que nos virar do jeito que pudermos para que o aumento da expectativa de vida não leve o nosso fundo de previdência prematuramente à morte.
 
Algumas alternativas se mostram bastante promissoras. Sob o pretexto de transformar os “pés-na-cova” em “geração saúde”, podemos expor os velhinhos a riscos consideráveis de irem dessa para melhor. Se de cada dez tentativas, pelo menos duas forem convertidas em óbito, ganharíamos uma sobrevida de aproximadamente seis meses para que possamos planejar com mais calma novos e bem-sucedidos massacres geriátricos.
 
A esse esforço mobilizador temos que acrescentar toda a nossa criatividade. É preciso mexer com a vaidade dos velhotes, com argumentos do tipo: “mostre para o seu parceiro de damas que o seu negócio é trilha” (não aquela de tabuleiro, mas a de lama, bichos peçonhentos e caminhos radicais, cheios de buracos e perigos). Já para as meninas beirando os noventa, uma boa estratégia seria uma campanha com o mote “troque o tricô pela tatoo”, na qual milhares de lotes de agulhas infectadas promoveriam o saneamento das nossas contas – se é que entendem o que quero dizer.
 
Thomas Malthus pregava o controle da natalidade como forma de salvar o mundo da escassez de recursos, mas a redenção de fato está no descontrole da mortalidade. É triste, mas é real. Competições de rapel com mosquetões defeituosos, ônibus de turismo com freios sabotados, teleféricos com cabos rompidos, maioneses com salmonela servidas em bailões da terceira idade são algumas das muitas iniciativas que de imediato devem ser implementadas.
 
Entretanto, é preciso tomar cuidado com extermínios de grandes proporções. A ocorrência de vários deles simultaneamente pode chamar a atenção da imprensa ou alertar os órgãos reguladores do setor securitário, o que certamente nos trará sérios problemas na esfera jurídica. Precisamos agendar as tragédias região por região, de tal maneira que, perante a opinião pública, a estratégia seja entendida como fatalidade.
 
Feliz 2013 a todos!

Crédito(s) Foto(s): Public Domain image
Últimos Artigos
Holocausto Geriátrico
Página anterior
Cordero Virtual - Notícias do Brasil e do Mundo - 2001-2017
Não temos nenhuma responsabilidade por qualquer conteúdo publicado neste site nas quais são citadas as fontes ou assinados.
Proibida cópia total ou parcial do conteúdo deste site sem a devida autorização.
Desenvolvimento de Sites e Lojas Virtuais
Desenvolvimento de Sites e Lojas Virtuais